Camerata Bern

Já conta 42 anos a Camerata Bern, este grupo suíço formado por instrumentistas-solistas, cujo objetivo sempre foi o de fazer música com um número reduzido e flexível de intérpretes, sem a presença de regentes.
Não foi preciso muito tempo para que ecos do sucesso da Camerata ultrapassassem os limites das belas montanhas suíças, alcançando o resto da Europa e ultrapassando o Atlântico para chegar aos Estados Unidos e Canadá.
Seus integrantes, todos solistas de grande reputação, conhecem muito bem o ofício da música de câmara, imprimindo ao conjunto de cordas um estilo cheio de frescor cuja sonoridade é homogênea e impecável.
Dominando com tranqüilidade um repertório que se estende do Barroco à música contemporânea, a excelência da Camerata Bern está na origem de grandes parcerias do grupo com solistas como o inesquecível Jean-Pierre Rampal, Maurice, André, Aurère Nicolet, András Schiff, Radu Lupu, Gidon Kremer, Peter Serkin, Boris Pergamenschikov, Narciso Yepes, Barbara Hendricks e Peter Schreier entre outros.
Entre os últimos Diretores Musicais que estiveram à frente do grupo suíço, poderíamos citar Ana Chumachenko e Thomas Zehetmair. Atualmente este posto está nas mãos do austríaco Erich Höbarth, por longos anos assistente de Sandor Vegh, e fundador do Quarteto que leva este nome.
Requisitados constantemente pelas melhores salas de concerto, os músicos da Camerata Bern são sempre muito bem recepcionados pelo público e pela crítica da Europa, dos Estados Unidos, da Austrália, América do Sul e Japão.
Para a atual turnê sul-americana, a Camerata Bern convidou nada mais nada menos do que o Papa do oboé para acompanhá-la com quem tem trabalhado assiduamente.