Camerata Santa Teresa

A Camerata Santa Teresa é, antes de tudo, uma orquestra diferente. Surgiu em 1994, apenas da vontade de seus membros – em sua grande maioria residentes no bairro de Santa Teresa - de fazerem música por prazer. O encontro foi por acaso, duas famílias bastante unidas: os Menezes, irmãos do consagrado violoncelista Antônio Meneses, e os Prazeres, filhos do saudoso maestro Armando Prazeres. Eles se juntaram e buscaram a nata da juventude musical do RJ para se apresentar nos museus e igrejas do bairro.
Depois de inúmeras “baixas”, pois muitos de seus membros foram se aperfeiçoar no exterior, hoje todos estão de volta ao Brasil e, é claro, no auge de suas carreiras. Ricardo Menezes e Eduardo Menezes voltam de uma temporada de 7 anos de estudo na Hochschule de Karslhuhe na Alemanha, Carlos Prazeres passou 2 anos na academia da orquestra Filarmônica de Berlim, tendo inclusive integrado a mesma em diversos concertos, Ubiratan Rodrigues volta de uma temporada de estudos na Bélgica. O grupo conta ainda com o spalla e o concertino da OPPM, Felipe Prazeres e Gustavo Menezes e também acaba de acolher um reforço de peso, o jovem Clóvis Pereira, spalla de uma das mais conceituadas orquestras da Dinamarca.
A idéia agora é oficializar esta “seleção”, gerando um conjunto de altíssimo nível técnico que supre a carência de orquestras de câmara fixas no RJ. A direção artística está na responsabilidade de Carlos Prazeres e Ricardo Menezes. Entre os inúmeros projetos desta Camerata podemos citar:
- difundir a música brasileira de concerto no Brasil e no exterior;
- levar a música erudita aos hospitais, asilos, colégios, igrejas e museus;
- promover concertos didáticos com o objetivo de formar uma nova platéia para a música erudita.
Por ser uma orquestra essencialmente jovem - seu integrante mais velho tem 35 anos - a Camerata Santa Teresa tem também como meta aproximar o jovem de hoje da música erudita, mostrando que este tipo de música, ao contrário do que muitos pensam, está bem ao alcance da juventude.