Cláudia Riccitelli

Cláudia Riccitelli consagrou-se no cenário lírico nacional como uma das cantoras mais completas de sua geração, aliando uma técnica vocal altamente refinada a um talento cênico natural. Em sua extensa e expressiva carreira, já se apresentou ao lado de alguns dos maiores nomes da cena musical brasileira e mundial e nos maiores teatros do país.

É detentora de vários prêmios nacionais, entre eles o Prêmio Carlos Gomes de 2001 e o da revista BRAVO! de 1999, como Revelação.

Tem sido convidada a participar de importantes eventos da história musical recente do Brasil, merecendo destaque especial o convite feito pelo maestro Claudio Abbado para que a artista participasse dos concertos da primeira turnê brasileira da Filarmônica de Berlim, a participação na inauguração da Sala São Paulo, junto à OSESP e o maestro Jonh Neschling e a primeira montagem da versão integral de Il Guarany, de Carlos Gomes, no Teatro Amazonas, sob regência de Luiz Fernando Malheiro.

Debutou profissionalmente no Theatro Municipal de São Paulo, na ópera Die Fledermaus, participando também das montagens de Il Barbiere di Siviglia e Suor Angelica. Seguiram-se papéis protagonistas em produções como La Bohème, Carmen, Gianni Schicchi, Les Pêcheurs des Perles, Il Campanello, Don Pasquale, L"Elisir d"Amore, Fosca, Die Zauberflöte, Madama Butterfly, Il Guarany, Turandot, West Side Story, Pagliacci, Les Contes d"Hoffmann e Rigoletto, nos principais teatros de ópera do país, sob a regência dos mais renomados regentes brasileiros e estrangeiros.

Como concertista, destacam-se suas apresentações em obras como Carmina Burana (Orff), Ein Deutsches Requiem (Brahms), Litanie (Mozart), Sinfonia nº 9 (Beethoven), Lobgesang (Mendehlson), War Requiem (Britten), Messiah (Handel), Sheherazade (Ravel), Missa da Coroação, Requiem (Mozart) e Bachianas Brasileiras nº 05 (Villa-Lobos), entre outras.

Em 2003, apresentou-se no concerto Les Illuminations, de Britten junto à Orquestra de Câmara da Universidade de São Paulo, sob a regência de Gil Jardim e nos concertos Sinfonia nº 9, de Beethoven sob regência de Tulio Belardi e Sinfonia nº 2, de Mahler sob regência de Isaac Karabtchevsky, junto a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre. Participou do Festival de Ópera de Belém, apresentado no Teatro da Paz, e, no Theatro Municipal em São Paulo, interpretou Antonia em Les Contes d"Hoffmann sob a regência de Jamil Maluf.

É formada em composição e regência pela Faculdade Paulista de Artes, complementando seus estudos teóricos com H. J. Koellreutter. Estudou canto com Leilah Farah e Helly-Anne Caran, no Brasil, e desde 1997 está sob a orientação vocal de Rita Patané, em Milão

Sua voz possui um timbre marcante, agudos brilhantes e uma técnica segura que lhe permite executar desde as menores sutilezas dinâmicas até partes mais dramáticas, passando com bravura pelas coloraturas e exigências vocais do bel-canto.

Maio de 2004.