O concerto grosso

O concerto grosso é o gênero típico da música instrumental barroca. Nele, dois ou mais solistas (instrumentos diversos), alternam com a orquestra de câmara.

Em Cremona, no século XVII, o violino, que até então tinha sido um instrumento desprezado, usado apenas por mendigos ou nas aldeias e tabernas, é transformado num instrumento nobre, graças aos Stradivarius, Amati e Guarnieri.

Arcangelo Corelli (1653-1713), grande violinista, desempenhou papel importante no desenvolvimento da sonata e do concerto grosso ao ponto deles poderem rivalizar com a ópera em popularidade. Foi, em seu tempo, o compositor mais famoso nos gêneros trio-sonata e concerto grosso.

Antonio Vivaldi (1678-1741), famoso como violinista, foi o grande gênio do concerto grosso. Como nos séculos XVIII e XIX, na Itália, houve uma dedicação quase que exclusiva à ópera, o grande instrumentista ficou praticamente esquecido.

Domenico Scarlatti (1685-1757), filho de Alessandro Scarlatti, ficou famoso como o melhor cravista da sua época. Compôs cerca de 555 sonatas, a maioria para cravo.

Georg Philipp Telemann (1681-1767) foi um compositor para o seu tempo, a cujas exigências satisfez perfeitamente. Cada forma musical da época, das cantatas de igreja aos trio-sonatas, foi agraciada com dezenas ou até mesmo centenas de exemplos da sua lavra. Sua música é profundamente não-romântica e, seguindo o estilo do século XVIII, prefere o sentimento à emoção, e a livre fluência à retórica.