Collegium Musicum de São Paulo

Em 2001, o Collegium Musicum de São Paulo comemorou seus trinta e nove anos de idade. Fundado em 1962 por Ronaldo Bologna, teve como regente, de 1963 a 1983, o maestro Roberto Schnorrenberg, com o qual obteve nos anos de 1964 e 1965 o prêmio de melhor conjunto coral da APCA - Associação Paulista dos Críticos de Arte.

Desde 1983, o conjunto tem como regente o maestro Abel Rocha, que agraciado com bolsa de estudos na Alemanha, foi substituído pela maestrina Marieddy Rossetto, no período de 1990 a 1992.

Responsável por inúmeras primeiras audições no Brasil, destacam-se o Vespro della Beata Vergine de Claudio Monteverdi, missas de Ockeghem e Isaac, a comédia madrigalesca Barca de Venezia per Padova de Banchieri, livros de madrigais de Monteverdi e Marenzio e com destaque para a ópera em concerto Dido e Æneas de H. Purcell.

Em outubro de 1996, apresentou em primeira audição no Brasil o moteto para 40 vozes Spem in Allium de Thomas Tallis, reunindo nesse concerto - que deu início às comemorações de seus 35 anos - 260 coralistas de vários outros grupos corais da capital, cujos atuais maestros foram em algum momento de suas vidas integrantes do Collegium Musicum.

Nesse mesmo ano, foi premiado com o terceiro lugar no Concurso Nacional de Corais de São Paulo, dentre mais de 30 grupos participantes.

Realizou diversas excursões, tendo participado de inúmeros Festivais de Música. Pelo terceiro ano consecutivo participou do Festival de Música Sacra (São Paulo).

No final de 1997, apresentou-se com o Oratório de Natal de H. Schütz, juntamente com o Conjunto Paraphernalia. Em dezembro de 1999, encerrou a temporada das Vesperais Líricas do Theatro Municipal de São Paulo com o espetáculo Um Conto de Natal, com a Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, Balé da Escola Municipal de Bailado e solistas.