Collegium Vocale de São Paulo

  • email: collegium.vocale@uol.com.br

"As composições polifônicas vocais do Renascimento exigem uma grande cooperação e integração entre os cantores. Exigem também, entre outras coisas, um sistema de afinação flexível que possibilite cantar os intervalos musicais em sua “verdadeira forma”, como escreveu Gioseffo Zarlino em 1558, num dos mais importantes tratados de música do século XVI. Com isso, as diferenças entre as consonâncias e as dissonâncias são intensificadas, bem como as nuanças entre os diferentes graus de consonância. Para isso, entretanto, é necessário que os cantores tenham um rigoroso treinamento auditivo, num sistema de afinação diferente daquele que eles têm como referência, que é o dos instrumentos chamados temperados – como o piano, por exemplo.

Ao se trabalhar com tal repertório, muitos fatores devem ser levados em consideração: o canto sem vibrato (que possibilita uma maior precisão na afinação dos intervalos em sua dimensão harmônica), o escrito e o não escrito na música daquele tempo (ornamentação, transposição, música ficta), estratégias de leitura num mundo sem barras de compasso e suas implicações na interpretação dessa música, etc...

Estes são alguns dos tópicos abordados pelo Collegium Vocale de São Paulo, grupo que iniciou suas atividades no segundo semestre de 2001. Todos os seus integrantes têm formação musical e estudam canto. Ele também é um collegium no sentido didático, pois os ensaios abordam diversos temas relacionados diretamente ao repertório: estratégias de afinação, história da música e da teoria musical, análise, contraponto, rítmica e prosódia, e até mesmo línguas.

A preparação e a edição das partituras são feitas especialmente para o grupo, baseadas em pesquisas, e a abordagem inicial de cada música é feita sempre a partir do texto.

Em janeiro de 2002, o Collegium Vocale de São Paulo gravou um CD-demo na Igreja Santo Inácio de Loiola, em São Paulo, com pouco mais de quatro meses de ensaios, e que até agora tem sido muito elogiado. Após sua estréia, ainda em janeiro, na Igreja da Ordem Primeira do Carmo, em Mogi das Cruzes, SP, o grupo já se apresentou na Igreja Luterana “Martin Luther”, em São Paulo; na FAAM – Faculdade de Música, em São Paulo; novamente na Igreja da Ordem Primeira do Carmo, em Mogi das Cruzes, SP; no VII Festival de Música Sacra, na Catedral Evangélica de São Paulo; na Igreja Santo Inácio de Loiola, em São Paulo, concerto dedicado à memória do poeta Philadelpho Menezes (com o apoio da Universidade São Marcos); no Espaço Cultural CENA – Projeto Música em CENA, em São Paulo; e no Conservatório Musical Souza Lima, em São Paulo.