Coral Bach de Mainz

O Coral Bach de Mainz, Titular da Igreja Evangélica de Hessen e Nassau – foi fundado em 1955, por Diethard Hellmann, discípulo de Günther Ramin, que fôra organista e diretor do Coro da Igreja de São Tomás, em Leipzig. Logo após a sua criação, o coral conquistou grande notoriedade e não tardou a ultrapassar as fronteiras do universo da música sacra.

Em 1986, Ralf Otto passou a responder pela Direção Artística do grupo alemão e decidiu cultivar não apenas o repertório fundamental da música sacra do Ocidente – as obras religiosas de Johann Sebastian Bach, as grandes missas e os oratórios escritos do século XVII ao início do século XX –, mas também abordar obras pouco executadas, inclusive do repertório moderno.

Para isso, a composição do Coral ajusta-se às exigências de cada obra – pequenos grupos solistas, coro de câmara e grande coro –, o que garante a interpretação estilisticamente mais apropriada de composições sacras e profanas de todas as épocas da história da música.

O alto patamar artístico alcançado pelo Coral Bach de Mainz vem contando com o reconhecimento do público e da crítica especializada, que tem elogiado suas temporadas regulares de concertos – na Alemanha e em turnês européias –, suas produções radiofônicas, televisivas e fonográficas, seu trabalho com importantes orquestras da Europa e sua colaboração com regentes como Franz Welser-Möst, Riccardo Chailly, Manfred Honeck, Nello Santi, Peter Ötvös, Peter Schreier e Georges Prêtre.

Dentre os compromissos recentes destacam-se: a estréia mundial, em Estrasburgo, da obra Chants de Retour, de Marius Constant, a convite da Associação dos Combatentes da Resistência Francesa, dos Deportados e dos Prisioneiros de Campos de Concentração – dias após essa estréia, o Coral mostrou a obra na Alemanha, na igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, em Mainz; a estréia mundial da Missa de Heinrich von Herzogenberg, contemporâneo e amigo de Brahms, obra tida por desaparecida durante muito tempo; apresentações, televisionadas ao vivo para toda a Europa, no Festival do Castelo de Weilburg; concertos com o maestro Michael Gelen, em apresentação, gravada para a TV alemã, da Deutsche Sinfonie, de Hanns Eisler e de La Victoire de Guernica, de Luigi Nono; apresentações do War Requiem, de Britten, na Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, em Mainz; e séries de concertos com A Paixão de São Matheus, Oratórios e Cantatas de Bach, durante as comemorações e homenagens a Bach e Gutenberg promovidas pela cidade de Mainz, em 2000.

Em novembro deste ano (2003), o Coral Bach de Mainz, o Coral Bach de Munique e a Filarmônica de Rheinland-Pfalz, sob regência de Ralf Otto, apresentarão o Réquiem de Verdi em Mannheim, Düsseldorf, Frankfurt e Munique.

O Coral Bach de Mainz já gravou dois álbuns: o primeiro, com o Te Deum, de Hector Berlioz, ao lado da Orquestra Sinfônica da Rádio de Frankfurt, sob regência de Eliahu Inbal, e, mais recentemente, registrou a Missa de Herzogenberg, com a Filarmônica de Rheinland-Pfalz.