Atempo

  • email: atempo@ism.com.br
  • WebSite: www.atempo.com.br

A fascinação pela cultura e pela música da Idade Média deu origem ao conjunto Atempo em 1992. Alguns de seus integrantes são formados pela UNIRIO (Universidade do Rio de Janeiro) e diplomados em conservatórios de Paris, cidade onde aprofundaram seus conhecimentos em música da Idade Média no Centro de Música Medieval (com os integrantes do conjunto Alla Francesca) entre 1996-98.

Participaram também, como bolsistas, de cursos da Fundação da Abadia Real de Royaumont com Marcel Pérès (diretor do conjunto Organum) e com integrantes do conjunto italiano Micrologus. Na Itália, foram orientados pelo alaudista Adolfo Broegg.

Realizaram ainda concertos em Paris, no interior da França e em Montevidéu. Participam, como integrantes permanentes ou convidados, de vários conjuntos de música antiga do Rio de Janeiro, entre eles: Anonimus, Bene+Dictus, Calíope, Longa Florata, Música Antiga da UFF e Quadro Cervantes.

Paralelamente, os membros do Atempo vêm ministrando cursos de música medieval em instituições de nível superior tanto em cursos curriculares (Conservatório Brasileiro de Música) como livres (Conservatório Universidade Estadual de Londrina, fev./2004, Conservatório Pernambucano de Musica, jul./1996), além de ensinarem seus próprios instrumentos.

Fundaram a Associação de Música Medieval do Rio de Janeiro em 1996, ano em que promoveram a vinda do renomado flautista francês Pierre Hamon para curso de música medieval (Universidade Federal Fluminense) e concerto de encerramento na Casa França-Brasil.

O Atempo vem se apresentando no Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Recife e outras cidades do país.
A pesquisa histórica é inerente ao trabalho do grupo. Assim, seus integrantes estão constantemente envolvidos com estudos sobre o contexto sócio-cultural em meio ao qual se produziu o repertório em foco. Tais elementos, aliados à interpretação dos manuscritos e à iconografia musical, ajudam a compor uma percepção mais apurada dos repertórios estudados.

Esse empenho se reflete no estudo e construção de instrumentos e em pesquisas, como por exemplo, o artigo “O Carrilhão de Sete Sinos das Cantigas de Santa Maria: novas interpretações e reconstrução”, baseado na iconografia musical do século XIII. Este trabalho foi apresentado e publicado nas atas da IV Semana de Estudos Medievais da Universidade Federal Fluminense (14 a 18 de maio de 2001).

Em 2001, o conjunto lançou O Trovador da Virgem (pelo selo Sono-Viso Vozes), seu primeiro CD, obtendo notas e críticas favoráveis no Brasil e no exterior (International Record Review, jun./2002; O Globo e Revista Concerto, dez./2001. Um dos admiradores do conjunto é o músico, reconhecido internacionalmente, Tom Zé. No livro Ilha Deserta (Publifolha/2003) ele escreve sobre O Trovador da Virgem e o elege uma de suas dez gravações preferidas.