Duo Laguna

O canto da soprano Doriana Mendes com o violão de Rodrigo Lima, que formam o Duo Laguna, vem obtendo grande receptividade do público. Manoel Carlos, autor da novela Laços de Família, da Rede Globo, os convidou para participar do penúltimo capítulo da novela, onde, para uma audiência estimada em 60 milhões, aproveitou para fazer uma prévia do lançamento do seu primeiro CD.

Modinhas e lundus, repertório básico do CD do Duo Laguna, tem seu lugar assegurado na história do povo brasileiro. "A música brasileira, que nasceu canção, no sentido de notas e sílabas acopladas e entoadas por voz humana, viu, nestas formas, nos 1600, a miscigenação racial, social e cultural", conta o historiador Carlos Didier.

O duo está lançando seu primeiro CD intitulado Duo Laguna, trazendo de volta um precioso material e reconstituindo, à sua maneira, uma parte importante da existência desta música. "Os tocadores de violão da época (como boa parte dos de hoje) não se guiavam por partituras, e por isso os editores não publicavam para o instrumento, mas este foi, sem dúvida, o acompanhador privilegiado da modinha e do lundu em suas versões mais plebéias", conta o professor Carlos Sandroni, no encarte do CD.

O repertório do é dos mais ricos e marca sua opção estética. Em suas apresentações, mostram canções sefaraditas, atribuídas aos judeus expulsos da Península Ibérica em 1492, peças renascentistas inglesas e espanholas do século XVI e ainda obras de pioneiros brasileiros, como Chiquinha Gonzaga, Joaquim A. Callado e Carlos Gomes, estes últimos também presentes no CD.

O duo é formado por:

Doriana Mendes - soprano
Cantora formada pela UNI-RIO, atriz e bailarina, tem atuado em espetáculos musicais há 16 anos e mais recentemente na área de música erudita. Está em cartaz com dois musicais recomendados pela crítica especializada: A Excêntrica Família Silva, uma opereta de Karen Acioly, no Centro Cultural Light, e Company (musical de Stephen Sondheim, estreado na Broadway na década de 70), com direção de Charles Möeller, no Teatro Villa-Lobos.

Estudou durante 7 anos com a soprano americana Carol McDavit. Participou das séries líricas dirigidas por Jacqueline Laurence no CCBB: Rossini 200 Anos e Viva a Opereta. Dentro do projeto Estréias Brasileiras promovido pela RioArte, defendeu uma peça inédita de Jocy de Oliveira. O espetáculo foi registrado pela TVE e está disponível em CD pelo selo CCBB. Em 1999, participou da XIII Bienal de Música Contemporânea, no Sesc Vila Mariana (SP), com fragmentos da nova ópera desta compositora, que estreou em maio de 2000 no Teatro da Ópera de Darmstadt (Alemanha).

Rodrigo Lima - violão
Ex-integrante da Orquestra de Violões da UNI-RIO, sob a direção artística de Maria Haro, nos últimos três anos participou de concertos realizados na Sala Villa-Lobos, Paço Imperial, SESC Copacabana e SESC Tijuca.

Com o apoio da Fundação Roquette Pinto, da TVE e da Rádio MEC, gravou em janeiro de 1997 o CD Cantos da Terra, em que participou como instrumentista, cantor e narrador. Dois anos depois, em 1999, conquistou o 2.º lugar no II Prêmio Sergio Abreu de Violão, além do prêmio de "Melhor Interpretação de Estudo de Villa-Lobos", no mesmo concurso.

Além de instrumentista, Rodrigo é ator de teatro. Em 1995, sob a direção de Márcio Vianna, participou de montagens como O Último bolero, Farra de Atores e Meu Pai Voa, espetáculos encenados na Casa de Cultura Laura Alvim e no Museu da República.