Il Dolce Ballo

O Il Dolce Ballo foi formado em 1995 e, desde então, vem realizando projetos e concertos para divulgar a música antiga, especialmente a dos períodos Medieval e Renascentista. Seus integrantes, todos com formação superior em Música, buscam um contínuo processo de aperfeiçoamento com especialistas no Brasil e no Exterior.

Na escolha do repertório e em sua adaptação à formação vocal/instrumental do grupo são usados critérios técnicos, estéticos e históricos, possibilitando recriações originais das músicas e a construção de uma sonoridade muito característica, que se destaca pela delicadeza e refinamento. É também preocupação constante do grupo transmitir ao público informações que possibilitem uma melhor compreensão e apreciação do concerto, como se verifica nos textos explicativos dos programas e nas traduções das letras das canções.

Carlos Eduardo da Silva Vieira

É barítono e Bacharel em Canto pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Atualmente recebe a orientação de Francisco Campos Neto. Tem atuado como solista junto a orquestras e corais, como recitalista e como integrante de grupos de música antiga. Em 1998, obteve a 3ª colocação no XV Concurso Nacional Cidade de Araçatuba - área de Canto. No ano seguinte, recebeu o prêmio de melhor intérprete de Osvaldo Lacerda no V Concurso de Interpretação da Canção de Câmara Brasileira. Em 2000, foi condecorado com a Medalha do Mérito Profissional da Academia Brasileira de Arte, Cultura e História. A partir de 2001, é professor de canto lírico da Universidade Livre de Música e Diretor Musical da Catedral Evangélica de São Paulo.

Marta Roca

Concluiu o Bacharelado em Flauta Doce na Faculdade Santa Marcelina – SP em 1995. Durante sua formação, estudou com as professoras Cléa Galhano e Isa Poncet. Esteve também em cursos de aperfeiçoamento estudando com importantes flautistas estrangeiros, como Hugo Reyne e Bertho Driever. Além de sua atuação como intérprete, leciona na Escola Municipal de Música de Ribeirão Pires e na Fundação das Artes de São Caetano do Sul. Atuou também como intérprete e orientadora musical em espetáculos teatrais e de dança de Ribeirão Pires.

Patrícia Michelini

Formou-se em Flauta Doce na Fundação das Artes de São Caetano do Sul e é Bacharel em Composição Musical pela ECA – USP. Há mais de 10 anos vem se dedicando à prática, pesquisa e divulgação do repertório para Flauta Doce e de Música Antiga em geral, além de se aperfeiçoar continuamente em seu instrumento através do contato com renomados intérpretes e professores, tais como Isa Poncet e Ricardo Kanji, no Brasil, e Hugo Reyne, Pierre Hamon e Bertho Driever, no Exterior. Atualmente, em paralelo à sua atuação como intérprete, dedica-se à educação musical e à formação de novos flautistas.

Rosimary Parra Gomes

É bacharel em Violão pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (UNESP), onde cursa atualmente o Mestrado, tendo estudado anteriormente na Fundação das Artes de São Caetano do Sul. Em sua formação, teve como professores Giacomo Bartoloni e Edelton Gloeden (violão), Peter Dauelsberg (música de Câmara), Orlando M. Mancini (harmonia e contraponto) e Carin Zwilling (música antiga). Tem participado de cursos de aperfeiçoamento como intérprete, no Brasil e exterior (Espanha e Itália). Suas atividades artísticas concentram-se em trabalhos camerísticos ao alaúde ou violão e também em recitais solo de violão. Desde 1994 é professora de violão na Fundação das Artes de São Caetano do Sul.