Heidelberger Sinfoniker

A Heidelberger Sinfoniker foi criada sob este nome no outono de 1993, estreando em 1º de janeiro de 1994 com a Nona Sinfonia de Beethoven. A sua história, no entanto, inicia-se bem antes desta data.

Em março de 1987, o maestro Thomas Fey, ainda estudante de música, fundou um conjunto de música antiga, a Orquestra de Câmara de Schlierbach. O grupo era composto de músicos jovens de toda a Alemanha, especialmente talentosos e ambiciosos. A interpretação insólita, brilhante e sensível da orquestra foi decisivamente influenciada por uma formação intensiva na interpretação musical histórica, com Nikolaus Harnoncourt em Salzburgo. "Um conjunto de porte no seu caminho para um futuro glorioso" escreveu o jornal Süddeutsche Zeitung, após um de centenas de concertos que a orquestra apresentou nos anos que se seguiram.

Em virtude de um estudo planejado, quase cronológico, da literatura orquestral, Thomas Fey e seus músicos inicialmente se dedicaram com especial empenho a Händel (entre outros, os grandes oratórios) e a Mozart. A este último dedicaram, a partir de seu 200º ano de falecimento em 1991, o Festival de Música Heidelberger Mozartwochen. Quando, finalmente, atingiram a época das grandes sinfonias do classicismo vienense - obras estas que não cabiam no grupo orquestral de música de câmara -, foi tomada a decisão de fundar a Heidelberger Sinfoniker.

A nova orquestra sinfônica estreou com muito sucesso um ciclo de Beethoven e iniciou ao mesmo tempo a colaboração regular com solistas de renome internacional, como Rudolf Buchbinder, Thomas Zehetmair, Cyprien Katsaris, Bernd Glemser e Nelson Freire. Seguiram-se turnês em muitos países da Europa e América do Sul, bem como gravações para rádio, televisão e CDs.

Atualmente, o repertório, além de numerosas composições do classicismo vienense, também engloba obras do século 19, com ênfase no início do romantismo alemão e até as obras de Johann Strauss.

Nos últimos anos, a Heidelberger Sinfoniker se destacou principalmente pelas gravações de CDs para o selo Hänssler Classic. A imprensa especializada internacional, numa unanimidade fora do comum, elogia as interpretações da orquestra tanto fulminantes quanto incomuns, entre estes vários CDs com gravações das sinfonias de Ludwig van Beethoven e Joseph Haydn, ou interpretações de concertos para piano e sinfonias de Mozart.

Maio de 2005.