Orquestra Barroca Den Haag

Vinte e oito integrantes de onze países compõem a Orquestra Barroca Den Haag, cujo brilhantismo está nos concertos de música antiga com instrumentos de época originais e na leitura histórica correta das composições. Os músicos, que se uniram em 1998 para fundar a Orquestra, têm em comum a formação no Conservatório Real de Haia, na Holanda.

França, Holanda, Estados Unidos, Itália, Israel, Suíça, Espanha, Japão, Chile, Áustria e Brasil estão representados na Orquestra. A liderança cabe ao violinista barroco mineiro Luiz Otávio Santos, também diretor artístico do Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga, realizado anualmente em Juiz de Fora (MG), pelo Centro Cultural Pró-Música. O violinista ressalta que esta é a primeira turnê internacional da Orquestra Barroca Den Haag fora da Europa.

Dois CDs já foram gravados pela Orquestra com obras de Johann S. Bach, maior expoente da música barroca. No primeiro, foi registrada a “Paixão Segundo São Mateus” e no seguinte, o “Magnificat”. Luís Otávio Santos defende que a vastíssima obra de Bach, “grande mestre da música ocidental” deve ser executada sempre e, acima de tudo, repensada e reavaliada.

Luís Otávio Santos destaca a pluralidade de culturas da Orquestra como um dos diferenciais: “são muitas experiências de diversas culturas, com o propósito comum da música”.

O violinista barroco mineiro recebeu a graduação máxima do Conservatório Real de Haia, o “Solist Diploma”, em 1996, depois de atuar como spalla da Orquestra Barroca por três anos. Atualmente é spalla da Orquestra La Petite Bande, regida pelo “papa da música antiga” Sigswald Kuijken, e professor de violino barroco na Academia Voor Oude Muziek de Amstendam (Holanda) e no Conservatório Real de Bruxelas (Bélgica).