Orquestra de Câmara de Stuttgart

Sob a tutela de Karl Münchinger, seu fundador e regente durante vários anos, a Orquestra de Câmara de Stuttgat começou a desenvolver uma nova e exemplar forma de interpretação de Johann Sebastian Bach e estabeleceu e manteve o repertório da Escola Clássica de Viena. Transformou-se, assim, em pioneira da técnica historicista de interpretação.

As primeiras gravações em disco ocorreram no ano de 1948 e foram a base de uma das mais bem sucedidas biografias de orquestra da nova Alemanha do pós-guerra. Gerou uma ampla discografia com gravações premiadas em numerosas ocasiões (entre outros o "Gran Prix du Disque") e milhões de discos vendidos desde então (a "Pequena Serenata Noturna", de Mozart, ganhou o prêmio "Golden Schallplatte" por ter ultrapassado a marca de um milhão de discos vendidos).

A intensa atividade da Orquestra de Câmara de Stuttgart em apresentações pelos cinco continentes e a participação em grandes festivais internacionais de música confirmam a qualidade e a fama da orquestra, imutáveis até os dias de hoje.

À frente da Orquestra de Câmara de Stuttgart, estiveram presentes regentes do porte de Ferdinand Leitner, Trevor Pinnock, Franz Brüggen, Andreas Delfs, Dimitri Sitkovetzky e Lev Markiz. Inúmeros solistas de fama internacional já se apresentaram com a orquestra, entre os quais Henryk Szeryng, Bruno Leonard Gelber, Frank Peter Zimmermann, Heinrich Schiff, Christian Zacharias, Mischa Maisky, Kim Kashakashian, Keith Jarrett, Jan Garbarek e Sholmo Mintz.

Uma estreita colaboração une a Orquestra de Câmara de Stuttgart e seu regente com o selo alemão ECM, que gravou, entre outros, concertos para piano de Mozart com o pianista de jazz Keith Jarrett, bem como com o "Hillard Ensemble", Jan Garbarek e Kim Kashkashian.

As últimas gravações da integral dos Concertos de Brandemburgo sob a regência do primeiro violino, maestro Benjamin Hudson e dos concertos para violino de J. S. Bach, receberam as melhores críticas da imprensa especializada internacional, assim como a Serenata para Cordas Op. 48 de Tchaikowsky, sob a regência de Dennis Russell Davies (lançado em MDG).

A Orquestra cumpre também a função de embaixadora musical da capital do estado de Stuttgart, através de uma intensa agenda de turnês mundiais. Em Stuttgart, a Comunidade para a Cultura organizou com a orquestra nove concertos por assinatura na sala Mozart. Além disso, existe um projeto, único em todo o mundo, de cooperação com a sucursal da Mercedes-Benz em Stuttgart chamado "A Década de Haydn". De 1998 até 2009, a Orquestra de Câmara de Stuttgart interpretará e gravará todas as sinfonias de Joseph Haydn.

O grupo se apresenta regularmente nas principais salas de concertos internacionais. Além de inúmeras atuações como artistas convidados (2003/2003: Holanda, França, Itália, Áustria, Suíça, Irlanda, Polônia e Hungria), a orquestra realiza extensas turnês pela Ásia (2002: Malásia, Singapura. 2003: Japão, Coréia e China), América do Sul (2003) e Estados Unidos (2003).

BENJAMIN HUDSON - Spalla

Benhamin Hudson estudou violino com professores renomados tais como Szering, Heifetz e Piatigorsky e começou sua carreira na Orquestra de Câmara de Los Angeles, então sob a regência de Neville Marriner.

Destaca-se tanto no violino moderno quanto no barroco. Participou da vanguarda de compositores contemporâneos com o Quarteto de Cordas de Colúmbia, o conjunto Speculum Musicae e o Grupo para Música Contemporânea, recebendo prêmios e êxito em suas apresentações e gravações. Trabalhou com os compositores Elliott Carter, Charles Wuorinen, Mario Daidovsky, Morton Feldman, Roger Session e John Cage.

Em 1982, tornou-se spalla da Filarmônica do Brooklin, então regida por Dennis Russell Davis, hoje regente titular da Orquestra de Câmara de Stuttgart.

Apresentou-se como solista e spalla ao lado de regente importantes como Lukas Foss, James Levine e Pierre Boulez. A partir de 1984, direcionou seus estudos para a música antiga e barroca, especializando-se no repertório barroco e clássico. Tocou com Reinhardt Goebel e a Musica Antiqua Köln, e, em 1988, foi nomeado spalla da Hannover Band de Londres, conjunto de instrumentos de época, e da orquestra do Festival de Drottingholm Court na Suécia.

Benjamin Hudson gravou o Concerto de Mendelssohn para o selo Nimbus, a íntegra dos Concertos Brandenburgueses para EMI, assim como várias sinfonias de Haydn para o selo Hyperion. Gravou recentemente os Concertos Brandenburgueses com a Orquestra de Câmara de Stuttgart e as Variações Goldberg, obras do barroco, um CD dedicado a compositores contemporâneos.

Desde 1995, é spalla da Orquestra de Câmara de Stuttgart.