Orquestra de Câmara do Pantanal

A Orquestra de Câmara do Pantanal foi criada em junho de 2001, através da iniciativa conjunta do Instituto Enokadi e do Maestro João Guilherme Ripper, com o objetivo de trazer os grandes nomes da música de concerto a Mato Grosso do Sul e tornar-se a voz do melhor de nossa música da região no cenário cultural brasileiro.

A orquestra é formada basicamente por 16 cordas (violinos, violas, cellos e contrabaixos) e 4 sopros (flautas e trompas). Outros músicos são convidados a participar de acordo com a orquestração das músicas que são apresentadas.

A orquestra possui um perfil profissional e inovador, que rompe com o conceito de que a música clássica é privilégio de alguns poucos iniciados. Assistido sempre por um excelente público, cada concerto é precedido pela “Conversa com o Maestro”: um bate-papo informal com o Maestro João Guilherme Ripper sobre os compositores e suas obras.

O repertório é eclético, com obras de Mozart, Bach, Beethoven, Albinoni, Villa-Lobos, Guerra Peixe, Geraldo Espíndola, Paulo Simões, Zacarias Mourão, Almir Sater, entre outros.

Desde o início de suas atividades, apresenta-se em concertos no interior do estado (Aquidauana, Rio Verde, Corumbá e Bonito), em Mato Grosso (Rondonópolis) e na capital, Campo Grande. Participou de shows com Tetê Espíndola, Geraldo Espíndola e Marcelo Loureiro. Teve como solistas o pianista Evandro Higa, a flautista Ana Elisa Loureiro e as cantoras Clarice Maciel, Zelma Zanibone e Cristiana D"Ávila.

Em 2002, associou-se ao SESC-Horto para a realização da primeira temporada oficial de concertos do estado. A série “Concertos SESC 2002” compreende um total de nove programas diferentes de março a dezembro. A partir de agosto de 2002, com o patrocínio do Fundo de Cultura do Governo Popular do Estado de Mato Grosso do Sul, cumprirá o “Circuito Sul Matogrossense de Música de Concerto”, totalizando dez apresentações no interior do estado.