Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas

Cortejada como uma das principais orquestras brasileiras, a Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas chega a 2003 comprometida com mais uma transformação em seu longo percurso.

O somatório dessas transformações conduziu a mais uma instituição musical sólida, cuja trajetória confunde-se com a própria história da música em Campinas, no século que há pouco nos deixou.

Desde 1929, data de criação da Sociedade Symphonica de Campinas, a orquestra passou por diferentes etapas e nomenclaturas até 1968, quando recebeu o nome que aprendemos a identificar carinhosamente como Sinfônica.

Daquela Symphonica a esta que hoje se apresenta, nomes como João de Tullio e Luiz Tullio foram cruciais. Foi, porém, a partir de 1974, que a orquestra local recebeu do poder público o apoio necessário para a manutenção de um grupo solidamente constituído e apto a desenvolver um trabalho artístico de excelência. Sob a liderança do Maestro Benito Juarez, a orquestra atraiu grandes músicos para os seus quadros e foi passagem obrigatória nos principais festivais e eventos de música erudita, além de ser disputada pelos mais prestigiados solistas e regentes nacionais e estrangeiros.

Em sua nova fase, sob a direção do Maestro Aylton Escobar, projeta-se a ampliação do repertório a ser apresentado ao seu largo e afetuoso público, além da elevação do nível técnico e artístico a patamares ainda mais significativos.