Orquestra Jovem da Alemanha

Desde sua fundação, em 1974, a Orquestra Jovem da Alemanha figura entre os conjuntos sinfônicos mais interessantes da cena musical erudita alemã. A responsabilidade compartilhada, o trabalho com diversos regentes e a livre escolha de solistas, além da independência na escolha do repertório, caracterizam a organização democrática dessa orquestra nacional de estudantes.

Composta pelos mais talentosos alunos e alunas de todas as faculdades de música da Alemanha, a Orquestra se reúne três vezes por ano para temporadas de ensaios intensivos, seguidas de turnês e apresentações em que se mostram programas que abrangem a música contemporânea e as mais importantes obras dos repertórios clássico e romântico.

A orquestra é presença constante no Festival de Berlim, na Alte Oper de Frankfurt, na Filarmônica de Colônia e no Musikhalle de Hamburgo. Dentre os diversos compromissos artísticos do conjunto destacam-se a execução da obra completa de Anton Webern (1983, direção de Gary Bertini), colaboração com Karlheinz Stockhausen e Pierre Boulez (1990), turnês à Escandinávia e aos Estados Unidos (1988 e 1991, direção de Michael Gielen), participação no Festival d"Automne de Paris (1994), apresentação no BBC Proms (1995), turnê ao Norte e Leste da Europa (regência de Rudolf Barschai, 1997), concertos na Itália e na Espanha (regência de Lorin Maazel, 1997), Turnê Comemorativa dos 25 anos da Orquestra Jovem da Alemanha (1999, regência de Ivàn Fischer) e turnês na Índia e nas Coréias do Norte e do Sul (2000).

Dentre outros grande nomes da música que já colaboraram com a Orquestra destacam-se, ainda, Eliahu Inbal, Kiril Kondraschin, Charles Dutoit, Witold Lutoslawski, Heinz Holliger, Lothar Zagosek, Seiji Ozawa, Mauricio Kagel, Peter Ötvös, Gidon Kremer, Daniel Barenboim, Ingo Metzmacher, David Shallon, Andreas Delfs, Tabea Zimmermann, Christian Tetzlaff e Sabine Meyer.

Por seu elevado nível artístico, a orquestra já foi contemplada com diversos prêmios, dentre os quais o Primeiro lugar no Concurso Herbert von Karajan, o Prêmio da Crítica Alemã, a Medalha Mozart da Cidade de Frankfurt, o Grand Prix Année Européenne de la Musique, o Prêmio Alemão de Cultura e o Prêmio de Incentivo da Fundação Ernst von Siemens.

Nos últimos anos, a Orquestra e o maestro Lothar Zagrosek vêm realizando um proveitosíssimo trabalho conjunto. Diretor Musical da Ópera de Stuttgart e, desde maio de 1995, Primeiro Regente-Convidado e Consultor Artístico da Orquestra Jovem da Alemanha, Zagrosek trabalhou com o grupo em obra inédita encomendada pela Bienal de Música de Berlim de 1999, e no ano seguinte estiveram à frente da estréia mundial de obra do jovem compositor espanhol J. Sánchez-Verdú, vencedor de Concurso de Composição promovido pela própria Orquestra.

A Orquestra Jovem da Alemanha tem sede em Frankfurt e conta com o apoio da cidade de Frankfurt e do BKM, órgão do governo federal alemão para assuntos relativos à cultura e aos meios de comunicação.

Integrante da Federação Européia de Jovens Orquestras Nacionais, o grupo conta ainda com o patrocínio da Deutsche Ensemble Akademie, da GVL – Gesellschaft zur Verwertung von Leistungsschutzrechten mbH, da Escola Superior de Artes de Berlim, da Fundação Oscar e Vera Ritter, do Programa Cultural Pegasus da ExxonMobil, da Fundação Cultural Allianz, do Commerzbank AG, do Programa Cultural da Siemens, do Conselho Alemão de Música e do Escritório de Relações Exteriores da República Federal da Alemanha.