Orquestra Sinfônica de Praga

Elemento fundamental no conjunto da vida musical de Praga e elo indispensável na divulgação da atividade cultural de seu país, a Orquestra Sinfônica de Praga data de 1934.

De um pequeno conjunto fundado por Rudolf Pekárek com diversas finalidades, como indica sua tradicional sigla FOK - Film, Opera, Koncert -, logo surgiu uma orquestra sinfônica capaz de realizar grandes desafios.

Determinantes e decisivos foram os 30 anos passados sob a direção de Václac Smetácek - primeiro grande responsável pelo reconhecimento interno e externo do conjunto tcheco - seguidos de perto pela era de Jiri Belohlávek de 1977 a 1989. Atualmente está sob a direção de Leos Svarovsky, sendo Libor Pesek seu Principal Regente Convidado e Tadeusz Strugala seu Regente Convidado Permanente.

A partir de primeiro de janeiro de 1952 recebeu a denominação oficial de Orquestra Sinfônica da Cidade de Praga - FOK.

Paralelamente ao enorme sucesso alcançado em suas Temporadas Nacionais, o prestígio da Sinfônica de Praga mostra-se através de suas bem sucedidas turnês européias, norte-americanas e asiáticas e também no interesse que alguns dos maiores maestros e solistas da segunda metade do século XX têm mostrado pela orquestra.

Estiveram em seu pódio, na condição de Regentes Convidados, nomes como R. Kubelík, P. Hindemith, Karel Ancerl, Z. Mehta, C. Kleiber, Sir Georg Solti, S. Ozawa, Frühbeck de Burgos, W. Süsskind, G. Prêtre, K. Masur, K. Penderecki e E. Inbal, para citar apenas alguns.

O elenco de solistas que já colaboraram com o conjunto inclui, por exemplo, artistas como os violinistas D. Oistrakh, I. Stern, Josef Suk, S. Mintz; os pianistas, R. Firkusny, S. Richter, C. Arrau, Benedetti Michelangeli, M. Perahia, Barry Douglas; os cellistas P. Tortellier, M Maisky, H. Schiff; e os cantores K. Ricciarelly, Kiri Te Kanawa e R. Raimondi dentre outros.

A FOK tem realizado turnês internacionais incluindo a Europa, Japão e Estados Unidos. Também tem visitado Israel, a Turquia, Porto Rico, a Coréia e Taiwan. Por outro lado, é assiduamente requisitada pelos grandes festivais internacionais, como Montreux, San Sebastian, Bath, Edimburgo, Viena e Schleswick-Holstein, além, evidentemente, do Festival da Primavera de Praga.

O catálogo de suas gravações é amplo, incluindo o repertório tcheco básico, bem como obras-primas do repertório internacional. Grava principalmente para os selos Philips, Erato, Victor Musical, Harmonia Mundi e Supraphon, dentre outros.