Orquestra Sinfônica Jovem de Campinas

A Orquestra Sinfônica Jovem de Campinas, vinculada ao Núcleo de Integração e Difusão Cultural da Unicamp (Nidic), começa os ensaios da temporada 2004/2005, após ter conseguido patrocínio da Petrobrás junto à Lei Rouanet (Lei 8.586/93). O objetivo do projeto é manter e ampliar o campo de atuação da sinfônica e proporcionar mais oportunidades no âmbito da música clássica aos jovens.

O plano de ação do projeto prevê a realização de 3 temporadas semestrais até dezembro de 2005. Nesse período, os jovens músicos da Sinfônica vão realizar uma turnê por 8 cidades do interior do estado que nunca receberam uma Orquestra, além de gravar um CD com obras do compositor alemão radicado no Brasil, Ernest Mahle, e realizar cursos e concertos mensais.

Para Simone Menezes, maestrina e uma das idealizadoras do projeto, a idéia que permeou toda a iniciativa é justamente formar um “público sinfônico jovem”. “Pretendemos atingir durante o projeto, um público alvo de 10 mil pessoas na Unicamp, em Campinas e em várias partes do interior do Estado de São Paulo, levando através de uma Orquestra jovem, bonita e competente, a música sinfônica brasileira de qualidade”, diz.

Como tudo surgiu

Centro de Convivência Cultural, Campinas, 26 de maio de 2002. Jovens músicos, entre 16 e 26 anos, se preparam para o seu primeiro concerto em uma Orquestra Sinfônica. Apesar do habituado ambiente clássico, o concerto é diferente: ao mesmo tempo em que os jovens executam obras de um período de 500 anos de história da música, o espetáculo é revestido de intervenções teatrais que explicam ao público o surgimento das Orquestras Sinfônicas.

Assim estreava a Orquestra Jovem Experimental (OJC), surgida no seio da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) como vontade de um grupo de 40 jovens instrumentalistas do curso de música desta universidade.

Todos, comandados pela maestrina Simone Menezes, acreditavam que Campinas poderia ter uma Orquestra Jovem, ainda que experimental. “Campinas tinha uma Orquestra Sinfônica jovem montada pelos nossos professores. Ela foi desativada há 12 anos. Esse fato nos estimulou a montarmos a Sinfônica Jovem. Acreditamos que haveria possibilidade para outra Sinfônica”, explica Simone.

Atualmente, a Orquestra Jovem reúne os 50 melhores músicos, entre 15 e 27 anos, da Unicamp e do Interior do Estado de São Paulo. Com o apoio da Unicamp e Petrobrás, a Orquestra oferece bolsas de estudo para todos os seus integrantes. “A trajetória da Sinfônica tem sido marcada pelo crescimento, tanto em número como em representatividade. Nosso grupo é reconhecido em toda a comunidade musical da cidade pela busca de um aprendizado e de uma maturidade musical”, finaliza.

Semeando uma nova geração de músicos eruditos

"Como músico, fico muito satisfeito em acompanhar o desenvolvimento de sólidos projetos musicais no país. Dentre eles, meu destaque fica por conta da Orquestra Sinfônica Jovem de Campinas. Ligada à Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), encarou recentemente um grande desafio: gravou seu primeiro CD, pondo à prova o preparo de sua quase meia centena de jovens músicos muito bem dirigidos pela jovem maestrina Simone Menezes.

Pela minha avaliação, o desafio foi encarado com muita garra. A orquestra, com menos de três anos de existência, exibiu suficiente maturidade para responder rapidamente aos problemas de praxe do preparo da trama sinfônica, como equilíbrio, articulação, afinação, e expressividade, e para realizar convincentemente o repertório brasileiro a ser gravado, além de ter a qualidade da energia própria dos jovens instrumentistas. O entusiasmo individual de seus jovens músicos somou-se bem num som coeso e vibrante. Bem, agora, vale aguardar o CD, que promete ser mais um grande passo para a consolidação do trabalho desenvolvido por essa nova geração de músicos brasileiros." - Esdras Rodrigues – prof. do Departamento de Música da Unicamp e integrante do trio Carcoarco. Contato – (19) 91829102

Novembro de 2005.