Música clássica

A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA MÚSICA CLÁSSICA.

SEUS PERSONAGENS.


SÉCULO XVII - MÚSICA INSTRUMENTAL
SÉCULO XVIII-O CLASSICISMO
SÉCULO XIX­-O ROMANTISMO
SÉCULO XX-A MÚSICA NOVA

SÉCULO XVII - MÚSICA INSTRUMENTAL

 

 

No século XVI, como já acontecera no século XV, a música era dividida em sacra e secular.

A música sacra era feita em grande escala e de forma séria, usando muitas vozes (polifônica), geralmente sem acompanhamento instrumental. Era a música da Igreja Católica Romana.

A música secular era mais curta, mais simples e mais alegre. Usava instrumentos e vozes e, freqüentemente, a forma de dança da época (pavana, galharda, corrente), incorporando canções folclóricas e melodias populares.

No fim do século XVI, os compositores começaram a tratar a música como uma arte única e indivisa.

No século XVII, aconteceu o eclipse da música da Igreja Católica, com o conseqüente declínio do estilo polifônico para ela criado.

A música harmônica para entretenimento, usando instrumentos, tomou o seu lugar.

Excetuando alguns poucos como Gibbons, Schütz e Buxtehude, os músicos de igreja eram obscuros e os principais compositores preferiam as formas seculares recém aperfeiçoadas da ópera, concerto e sonata.

A reforma religiosa iniciada por Martinho Lutero foi uma das causas do declínio da música polifônica.